Depressão Infanto-juvenil Foi Tema de Painel para Voluntários do Movimento Escoteiro

Suicídio e Depressão Infanto-Juvenil foram debatidos em Painel organizado pelo Escritório Regional dos Escoteiros do Brasil.

1414

A sociedade ainda enfrenta uma grande dificuldade em tratar deste tema, seja no ambiente escolar ou familiar. Em certos momentos ele vem a tona com mais relevância, seja em séries de TV, por meio de desafios virtuais, ou no caso de pessoas famosas que cometem suicídio. Ainda que a depressão seja um tabu a ser discutido, ela é uma realidade cada vez mais comum das salas de aula, grupos sociais, cursos de idiomas, atividades esportivas e também no Movimento Escoteiro. Sendo o escotismo um espaço de liberdade para o jovem, o Movimento tem uma responsabilidade muito grande em ser um espaço de referência e apoio aos adolescentes.

Leia Mais:
Depressão Infanto Juvenil – Painel com Escoteiros
Coaching Cura Depressão?

Segundo o escotista e coach Carlos Almada, a atuação do escotista é fundamental para que este tema seja conversado de maneira franca e fraterna junto dos jovens. Estimular o sistema de patrulha, a troca de ideias e o diálogo entre os jovens também é um meio de criar um ambiente de confiança e auxílio. “O escotista deve ter um papel fraterno, e não autoritário em sua tropa, sempre demonstrando preocupação e afeto. Desta forma quando um jovem demostrar certos pensamentos de alerta, a abertura ao diálogo será quase que natural“, explica Almada.

O indivíduo que comete suicídio, na maioria das vezes, já demonstra sinais no decorrer do tempo. Estima-se que 90% das pessoas que passam por depressão tentam capturar a atenção de quem os rodeia, isso ocorre por meio da auto flagelação, manifestação de publicações em redes sociais como “quero sumir”, “quero dormir e não acordar mais”, “o mundo seria melhor sem mim”, além de mudanças comportamentais e de exclusão social.

Por isso é importante que os voluntários das Unidades Escoteiras Locais estejam atentos aos sinais que os jovens podem indicar. Conversar sobre bullying na Tropa e promover encontro com as famílias e psicólogos para tratar sobre o desenvolvimento das crianças e adolescentes são algumas das ações simples que podem ser realizadas nos Grupos.